Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Voz do Pároco Liturgia Expediente Fale Conosco
 
 
Home | TEXTOS DE REFLEXÃO

Como Rezar?

Como rezar?
São Paulo escreveu: “Não sabemos como rezar, mas o Espírito reza em nós”. Eis a chave para compreender o verdadeiro sentido da oração cristã.
Ele refere-se assim à oração profunda do coração, onde encontramos “o amor de Deus disperso nas profundezas do nosso coração pelo Espírito Santo que Ele nos deu”.
A questão é saber como nos podemos abrir a essa torrente de amor que atinge o mais “profundo do nosso ser”?
Consideremos, em primeiro lugar, os três elementos essenciais da oração contemplativa. Eles dão a resposta à pergunta “como rezar”. Rezamos ficando silenciosos, despertos e descontraídos.
1. O Silêncio
O silêncio é necessário, tanto para a nossa saúde mental, como para o nosso crescimento espiritual. Contudo, torna-se cada vez mais difícil de praticar o silêncio no centro das cidades modernas, no barulho da circulação, da rádio e da televisão.
Mas o verdadeiro silêncio é interior. Com efeito, se nos encontramos num lugar muito barulhento e se nos concentrarmos, podemos “fazer” o silêncio em nós. Aprendemos a estar em silêncio ao nos concentrarmos.
Nada nos impede de estar em silêncio numa rua movimentada, no congestionamento do trânsito ou numa fila de espera na caixa do supermercado. Aprender o silêncio, ensina-nos a rezar em qualquer situação.
O silêncio é verdade. O silêncio é cura. O silêncio pacifica as nossas perturbações interiores. O silêncio é o remédio para o azedume e a raiva.
No silêncio aprendemos a linguagem do Espírito. Deus difunde a sua palavra do seu silêncio infinito.
O silêncio na oração, como entre duas pessoas, é um sinal de confiança e de aceitação.
Não se trata apenas de uma ausência de ruído, pois o silêncio é uma questão de atitude e de disposição de viver em vigilância e quietude.
2. A Quietude
O salmo diz: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus” Sl 46,2. A quietude não significa um estado de inércia ou de morte.
A quietude constitui o equilíbrio de todas as forças e energias diferentes de um ser humano: o físico, o mental, o espiritual.
Tal como o silêncio, a quietude tem as mesmas dimensões interiores e exteriores. Na oração devemos alcançar a imobilidade do corpo. É esse o primeiro passo da nossa peregrinação em direcção a Deus, ao centro do nosso ser.
A imobilidade física ajuda-nos a tomar consciência de que o nosso corpo é sagrado: “templo do Espírito Santo”.
Porém, a outra dimensão da quietude é interior. Alcançar a imobilidade do espírito constitui o grande desafio da oração. Como nos podemos acomodar à constante actividade mental? Os budistas afirmam que se efectuam 151 operações mentais em simultâneo… Os nossos desejos, os nossos sonhos, as nossas esperanças podem dividir e dominar o nosso espírito.
3. A Simplicidade
A oração cristã desperta-nos para a realidade de que somos habitantes do Reino de Deus. Jesus revelou-nos que o Reino de Deus está dentro de nós e que também nos devemos tornar como crianças, se quisermos entrar no Reino. “O Reino não é um lugar, mas sim uma experiência” (John Main). Ser simples, não é fácil. Analisamo-nos constantemente. Analisamos os nossos sentimentos, o que nos motiva, as outras pessoas e esta atitude constante de nos dobrarmos sobre nós próprios, torna-nos muito complicados.
Mas Deus é simples – o amor é simples – a meditação é simples.
Ser simples significa, ser autêntico, ou seja, ir para além da consciência de si próprio e da auto-análise.
A meditação é uma prática espiritual universal que nos guia em direcção a esse estado de oração, à oração de Cristo.
Essa oração conduz-nos ao silêncio, à quietude e à simplicidade por um processo, também ele, silencioso, pacificador e simples.
Este processo é a repetição de uma breve palavra sagrada, na fé e no amor, ao longo do tempo de meditação. Essa palavra chama-se mantra. Esta forma antiga de oração cristã foi redescoberta pelo monge beneditino John Main (1926-1982) para cristãos dos tempos modernos.
John Main redescobre este processo de unir o coração, a partir do ensinamento dos primeiros monges cristãos, os Padres do Deserto, principalmente de João Cassiano (séc. IV A.D.). Este ensinamento vai na mesma tradição de “A Nuvem do Não-Saber”, publicado em Inglaterra no séc. XIV.
O Frei John ensina-nos que para meditar devemos:
1.    Sentarmo-nos e permanecermos quietos, de costas bem direitas;
2.    Fechar os olhos
3.    Repetir a palavra mantra interiormente e de forma contínua.
Deve-se escolher um lugar calmo, um momento de tranquilidade de manhã e à noite e meditar aproximadamente 20 a 30 minutos de cada vez.
Um mantra ideal é maranatha, uma antiga oração oriunda do aramaico. Repeti-la continuamente, apoiando igual e claramente cada uma das sílabas. Dizê-la pausadamente e sem nada esperar. Escutar o mantra com todo o nosso ser. Assim que surja uma distração, retomar o mantra calmamente.
O aramaico era a língua de Jesus. É a mesma língua da palavra “abba”. “Maranatha” é a oração cristã mais antiga, que significa “Vem Senhor” ou “o Senhor vem”. São Paulo termina a primeira epístola aos Coríntios e São João, o livro do Apocalipse, com esta frase, que exprime a fé profunda e simples dos primeiros cristãos.
O significado e a ressonância desta palavra são dois elementos importantes. Contudo, ao dizer a palavra mantra, não se deve pensar no seu significado. O mantra conduz-nos de forma mais profunda do que os nossos pensamentos, ao âmago do nosso ser. Leva-nos através da fé. Dizemos o mantra na fé e no amor.
Eis três regras que nos ajudarão a persistir:
  • Não ter nenhum pedido ou expectativa;
  • Não avaliar a nossa meditação;
  • Integrar a meditação na nossa vida do quotidiano e viver cada dia as suas consequências.

Em que é que a meditação é cristã?

Nós meditamos porque acreditamos em Cristo, cremos em como Ele vive e em como Ele vive em nós. Acreditamos que Ele apela a que renunciemos ao nosso EU e a que O sigamos até ao Reino de Deus.
É a nossa fé que faz com que a nossa meditação seja cristã. Ela também é cristã porque está centrada na consciência humana de Jesus, no mais profundo do nosso ser.
 
Como cristãos, meditamos com outros cristãos e em comunidade. As nossas vidas são guiadas e enriquecidas pelas Escrituras, pelos sacramentos e por todas as inúmeras maneiras de prestar auxílio aos outros, no amor e na compaixão de Cristo.
 
O fundamento teológico da meditação tem por base a teologia do Evangelho. Jesus, pela sua vida, sua morte e ressurreição, abriu-nos o caminho para Deus. E enviando-nos o Espírito Santo em nós, tornou-se o nosso guia e o nosso caminho.
Jesus não ensinou nenhum método de oração. No entanto, apercebemo-nos, através da sua palavra sobre a oração no “Sermão da montanha”, que a meditação é um meio de o encontrar e de o seguir.
 
1. Ele diz que a oração, as boas acções não devem ser apenas exteriores (Mt 6, 1-4). Não se trata de parecer santo ou de suscitar a admiração dos outros, nem de nos sentirmos santos e por isso Mateus diz “...não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita...” (Mt 6, 3). A nossa oração deve ser humilde e não centrada em nós mesmos.
 
2. A oração deve ser interior. Aquele que desejar que a sua oração se torne demasiadamente pública é um hipócrita. Jesus diz-nos para irmos para “o nosso quarto” (Mt 6, 5-6) e para rezarmos em silêncio nesse “lugar secreto”. A palavra secreto significa misterioso e o quarto significa metaforicamente o interior do nosso próprio coração.
 
3. Enquanto oramos, devemos evitar as “vãs repetições” (Mt 6, 7), pois não é por muito falarmos que Deus nos ouve melhor.
 
4. A oração não tem por objectivo pedir coisas a Deus, pois Ele sabe o que nos é necessário muito antes de Lho pedirmos (Mt 6, 8).
 
5. É preferível procurar os tesouros espirituais do reino, do que o bem-estar material (Mt 6, 20)
 
6. Devemos aprender a não nos inquietarmos com o futuro e ter confiança em Deus (Mt 6, 25). A inquietação é inimiga da oração e faz com que nos centremos demasiadamente em nós, impedindo-nos de ter consciência do dom que sempre esteve depositado com amor no nosso coração.
 
7. Finalmente, Jesus ensinou-nos que a oração consiste em primeiro lugar em centrar o nosso espírito no Reino de Deus (Mt 6, 33). Por outras palavras, a estar atento ao que é essencial.
 
Na meditação pomos em prática os ensinamentos de Jesus sobre a oração: humildade, interioridade, silêncio, confiança, espiritualidade, paz, atenção.
“Não vos inquietais com o dia de amanhã”, diz-nos Jesus. Na meditação, cessamos de pensar no passado ou no futuro e aprendemos a viver intensamente o momento presente.
 
Infelizmente, Deus parece-nos muitas vezes ausente, porque nós não estamos no momento presente, que é o “aqui e o agora”. Passamos uma boa parte das nossas vidas fechada em pensamentos que se reportam ao passado e ao futuro.
É unicamente no momento do presente que podemos encontrar Deus, o Deus que diz “EU SOU”.
 

 

 
Enviar Notícia
 
  » Agenda  
  » Horário das Missas  
  » Avisos  
Edições passadas >>
 
 
 
 
 
 
  " A oração faz o sacerdote e o sacerdote é feito através da oração"
João Paulo II
 
 

PARÓQUIA SÃO BRAZ
Rua Antônio Escorsin, 1840
São Braz
Curitiba - PR

Fone: (41) 3024-1310

 
Projeto: Cristãos on-line   Desenvolvido por: Midia Essencial